Hoje é 21 de fevereiro de 2024 06:40
Hoje é 21 de fevereiro de 2024 06:40

Agehab entrega 717 casas em 2023 e projeta entregar mais 6 mil moradias em 2024

Cada unidade habitacional do programa tem um custo médio de R$ 127 mil e beneficiou famílias cadastradas em 19 municípios do interior do estado
Este projeto representa que ultrapassa R$ 91 milhões provenientes do Fundo Protege // Foto: Edgard Soares

O Estado de Goiás, por intermédio da Agência Goiana de Habitação (Agehab) e da Secretaria de Estado da Infraestrutura (Seinfra), chegou a importante marca de 717 habitações entregue sem custo pelo Programa Pra Ter Onde Morar – Construção, até o mês de novembro de 2023. 

Este projeto representa um investimento significativo, ultrapassando R$ 91 milhões provenientes do Fundo Protege. O governador Ronaldo Caiado destacou a qualidade do acabamento das casas, ressaltando a satisfação da população que percebe a eficácia na aplicação dos recursos públicos. “As casas têm acabamento bem feito, têm carinho. As pessoas se sentem respeitadas e enxergam que o dinheiro público está sendo bem aplicado”, disse o governador.

A iniciativa contemplou 19 municípios, incluindo Nova Aurora, Anhanguera, Itaguaru, Bom Jesus De Goiás, Padre Bernardo, Córrego do Ouro, Cristianópolis, Campestre, Firminópolis, Damolândia, Santo Antônio do Descoberto, São João da Paraúna, Rio Verde, Mairipotaba, Hidrolândia, Moiporá, Iporá, Santo Antônio de Goiás e Abadia De Goiás.

Segundo Alexandre Baldy, presidente da Agehab, cada unidade habitacional tem um custo médio de R$ 127 mil. “Este é o maior programa do Brasil que beneficia pequenos municípios com moradias, um exemplo a ser copiado por outros entes da Federação”, analisa. De acordo com ele, o ano de 2024 será de mais avanços. “O total de moradias em construção ou entregue é de 6 mil em 130 municípios. As construções foram iniciadas no ano de 2023 e a maior parte está em fase avançada, com previsão de entrega em 2024”, complementa o presidente.

Para concorrer às unidades, as famílias precisam comprovar uma renda familiar de até um salário mínimo e residir na cidade há pelo menos três anos. A diarista Luzineide Cruz Lima, beneficiária do programa em Santo Antônio de Goiás, expressa sua felicidade em ser contemplada pelo programa de moradia popular. “Está todo mundo feliz e ansioso para mudar logo, teremos uma nova vida”, comemorou.

Compartilhar em:

Notícias em alta