Hoje é 19 de julho de 2024 21:13
Hoje é 19 de julho de 2024 21:13

Agrodefesa apreende em Goiânia 6 toneladas de carne imprópria para consumo

Produtos sem procedência estavam armazenados em um depósito clandestino, em câmaras frias desligadas, com estruturas danificadas e emitindo mau odor
Ação desencadeada a partir de denúncia contou com participação da Vigilância Municipal e Delegacia Estadual de Repressão a Crimes Contra o Consumidor // Fotos: Divulgação

Uma operação de fiscalização da Agência Goiana de Defesa Agropecuária (Agrodefesa) nesta quinta-feira (14/03) resultou na apreensão de apreendidas seis toneladas de carne consideradas impróprias para consumo. Os produtos sem procedência estavam armazenados em um depósito clandestino no setor Balneário Meia Ponte, em Goiânia.

As equipes de fiscalização constataram que o depósito, situado em uma residência, não possuía registro nos órgãos competentes, tampouco apresentava notas fiscais que comprovassem a legalidade da aquisição dos produtos. Além disso, as carnes estavam armazenadas em câmaras frias desligadas, com estruturas danificadas e emitindo mau odor.

A operação foi desencadeada a partir de denúncia recebida pela Agrodefesa. Os produtos apreendidos foram encaminhados para o aterro sanitário de Goiânia.

Durante a ação, apenas um funcionário estava presente no local. O proprietário do depósito foi notificado e recebeu um auto de infração no valor de R$ 11 mil devido às irregularidades. Adicionalmente, a Vigilância Municipal autuou o estabelecimento por representar um possível foco para proliferação do mosquito transmissor da dengue.

Janilson Júnior, gerente de Fiscalização Agropecuária da Agrodefesa, ressalta a importância das fiscalizações para assegurar a qualidade dos produtos destinados à população.

“É crucial que a sociedade esteja ciente de que produtos que não atendem aos padrões e normas sanitárias representam riscos à saúde, além de prejudicar toda uma cadeia produtiva que opera de maneira correta e em conformidade com a legislação”, afirma.

“Caso qualquer pessoa identifique locais operando de forma irregular e clandestina, é fundamental que entre em contato com os órgãos competentes para que sejam realizadas as devidas averiguações”, acrescenta.

Compartilhar em:

Notícias em alta