Hoje é 21 de fevereiro de 2024 05:12
Hoje é 21 de fevereiro de 2024 05:12

Câmara aprova reajuste de 4,18% para o funcionalismo de Goiânia

Também foi aprovada, na Comissão Mista, a Lei Orçamentária do município para 2024, com nove emendas comuns e 764 impositivas, acatadas pelo relator do projeto, somando o montante de R$ 156 milhões
Plenário acatou emendas que incluem servidores administrativos e músicos da Orquestra Sinfônica de Goiânia entre beneficiados com recomposição salarial referente ao ano de 2023 // Fotos: Divulgação/Câmara de Goiânia

A Câmara de Goiânia aprovou, em primeira votação, durante sessão ordinária desta quarta-feira (13/12), projeto de lei (PL 427/2023) que concede revisão geral das remunerações dos servidores públicos municipais. De autoria do Executivo municipal, a proposta prevê data-base 2023 no percentual de 4,18%, a ser concedida a partir de 1º de dezembro.

Proposta conjuntamente pelo presidente da Câmara, vereador GCM Romário Policarpo (Patriota), e pelo presidente da CCJ, vereador Henrique Alves (MDB), emenda incluiu servidores da área administrativa entre os beneficiados com a recomposição salarial.

Outra emenda, de autoria da vereadora Kátia (PT), estendeu o direito à data-base aos músicos da Orquestra Sinfônica de Goiânia (Osgo).

Comissão aprova Lei Orçamentária Anual

Também nesta quarta-feira (13/12), a Comissão Mista da Câmara de Goiânia aprovou projeto (PL 347/2023) relativo à Lei Orçamentária Anual (LOA) para 2024. De autoria do Executivo, a matéria estima o valor total da arrecadação anual (receita) e prevê a despesa para o período. A Prefeitura espera arrecadar e gastar R$ 8,770 bilhões – sendo R$ 3,479 bilhões destinados à Seguridade Social (Saúde, Previdência e Assistência Social); e outros R$ 5,290 bi para o orçamento fiscal (demais fundos, órgãos e entidades da administração direta e indireta).

Durante tramitação na Câmara, o texto recebeu emendas. Uma delas, proposta pelo vereador Pedro Azulão Jr. (PSB), reduz de 30% para 20% o percentual autorizado à abertura de créditos adicionais do total das despesas fixadas.

Os parlamentares apresentaram nove emendas comuns e 764 impositivas, acatadas pelo relator do projeto, vereador Sandes Júnior (PP). Segundo o Executivo, o valor é correspondente a 2% da receita corrente líquida – prevista para 2024 – e será destinado às emendas impositivas individuais. O montante equivale a R$ 156 milhões (R$ 4,458 milhões para cada vereador).

O projeto segue para primeira votação em plenário. Após interstício de 24 horas, poderá ser votado em segundo turno, antes de seguir para sanção ou veto do prefeito Rogério Cruz (Republicanos).

Compartilhar em:

Notícias em alta