Hoje é 22 de fevereiro de 2024 05:26
Hoje é 22 de fevereiro de 2024 05:27

Com 47 votos favoráveis, Senado aprova Flávio Dino para ministro do STF

Antes da votação em plenário, ministro passou por sabatina de quase 11 horas na Comissão de Constituição e Justiça, onde recebeu o voto favorável de 17 dos 27 integrantes do colegiado; senadores também aprovaram Paulo Gonet para Procuradoria-Geral da República
Flávio Dino (C) comemora aprovação de seu nome na Comissão de Constituição e Justiça do Senado, entre os senadores Davi Alcolumbre e Weverton Rocha // Foto: Roque de Sá/Agência Senado

O plenário do Senado aprovou, na noite desta quarta-feira (13/12), a indicação de Flávio Dino para o cargo de ministro do Supremo Tribunal Federal (STF). Ministro da Justiça e Segurança Pública do governo federal, Dino foi indicado pelo presidente Lula para na vaga aberta com a aposentadoria da ex-ministra Rosa Weber.

Dino, de 55 anos de idade, obteve 47 votos favoráveis, 31 votos contrários e duas abstenções. Essa foi a última etapa antes da confirmação de Dino como novo magistrado. Ele deve assumir a cadeira em fevereiro.

“Estou feliz e honrado. Agradeço a confiança do Presidente da República e do Senado Federal, que aprovaram a minha Indicação ao Supremo Tribunal Federal. Milhões de pessoas me ajudaram, com mensagens, postagens, orações, torcida. A todos o meu abraço afetuoso”, escreveu Dino em uma rede social, poucas horas depois da aprovação.

Antes da votação em plenário, Dino passou por uma sabatina de quase 11 horas na Comissão de Constituição e Justiça do Senado (CCJ), onde recebeu o voto favorável de 17 dos 27 integrantes do colegiado.

Na mesma sessão, também foi sabatinado o subprocurador da República Paulo Gonet, indicado para a Procuradoria-Geral da República (PGR). Gonet obteve 23 votos favoráveis, quatro contrários e nenhuma abstenção. Na votação em plenário, Gonet teve 65 votos favoráveis e 11 contra.

Paulo Gonet teve nome aprovado para procurador-geral da República // Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado

A sabatina, que começou por volta das 9h40, foi realizada em sessão conjunta com os dois indicados. Esse formato, decidido pelo presidente da CCJ, gerou críticas de senadores de oposição, mas acabou sendo mantido por Alcolumbre, após a mudança no rito previamente previsto, permitindo que os senadores pudessem fazer as perguntas de forma individualizada e não a cada bloco de três inquirições, como previamente estipulado.

Em sua apresentação, Flávio Dino enumerou os princípios que pretende seguir em suas atividades no STF, como defesa da separação e harmonia entre os poderes, a forma federativa do Estado, com direito ao voto, eleições periódicas, e garantia dos direitos fundamentais. Dino, que atualmente é senador licenciado, seguiu carreira como juiz federal durante 12 anos. Durante sua fala inicial, ele também procurou diferenciar justamente os papéis de político e juiz.

No decorrer da sabatina, Flávio Dino ainda rebateu críticas sobre sua atuação como ministro da Justiça durante a tentativa de golpe de Estado de 8 de janeiro. Ele também opinou sobre temas como o mandato para ministro do STF e a regulação de redes sociais.

Veja perfil do novo ministro

Atual ministro da Justiça e Segurança Pública, Flávio Dino de Castro e Costa é formado em Direito pela Universidade Federal do Maranhão (UFMA), com mestrado na Universidade Federal de Pernambuco. É também professor de Direito Constitucional da UFMA.

Foi juiz federal por 12 anos, período no qual ocupou a presidência da Associação dos Juízes Federais do Brasil e a secretaria-geral do Conselho Nacional de Justiça. Ele deixou a magistratura para seguir carreira política, elegendo-se deputado federal pelo Maranhão, em 2006.

O ministro também presidiu a Embratur entre 2011 e 2014, ano em que se elegeu governador do Maranhão. Em 2018, foi reeleito para o cargo. Nas últimas eleições, em 2022, elegeu-se senador e, logo após tomar posse, foi nomeado ministro da Justiça e Segurança Pública.

Dino assumirá a vaga deixada pela ministra Rosa Weber, que se aposentou compulsoriamente da Corte, ao completar 75 anos de idade, no início de outubro. Rosa foi nomeada pela então presidente Dilma Rousseff, em 2011.

Compartilhar em:

Notícias em alta