Hoje é 23 de maio de 2024 21:27
Hoje é 23 de maio de 2024 21:27

Educação em Goiás tem avanço histórico

Conquistas do ensino público estadual são resultados de investimentos voltados para alunos e professores, além de constante melhoria na infraestrutura das escolas. Pesquisa Genial/Quaest mostra que a educação é aprovada pela população de Goiás
Somente em 2023, 110 obras foram realizadas na rede estadual de educação, entre elas, a entrega de oito novos colégios Padrão Século XXI / Foto: reprodução

Com um investimento de R$ 6,4 bilhões na educação nos últimos cinco anos baseado no tripé – aluno, professor e infraestrutura educacional –, o Governo de Goiás mudou a realidade do ensino público estadual. A entrada dos recursos na realidade de escolas e, principalmente, de estudantes, elevou indicadores do nível de ensino e a qualidade das ferramentas utilizadas dentro e fora das salas de aula para a promoção da qualidade no aprendizado.

Uma série de ações adotadas com foco no atendimento dos mais 485 mil estudantes colaboraram com a redução da evasão escolar, principalmente na virada do Ensino Fundamental para o Médio. Kits de uniformes – com tênis, meias, calças, bermudas, camisetas e agasalhos, além de mochilas, estojos e material escolar – foram distribuídos aos alunos em um investimento de R$ 466,7 milhões.

O Bolsa Estudo, incentivo criado para mitigar a evasão escolar, beneficia estudantes do Ensino Médio e também do 9° ano do Ensino Fundamental com R$ 111,92 mensais, levando em consideração critérios como frequência e rendimento escolar. Em 2024, o governo federal lançou o programa Pé-de-Meia, com proposta semelhante, mas em âmbito nacional, e reconheceu o exemplo de Goiás para adoção da medida.

Além de cuidar no aluno, o Governo de Goiás também investiu na infraestrutura educacional. Somente em 2023, 110 obras foram realizadas na rede estadual de educação, entre elas, a entrega de oito novos colégios Padrão Século XXI.

Em 2021, o Governo de Goiás equiparou o salário dos professores em contratos temporários com o dos efetivos, garantindo pagamento do Piso Nacional do Magistério a todos os docentes. Na época, a mudança gerou reajuste salarial de até 64% para 12 mil profissionais. Os servidores da educação também recebem auxílios alimentação e aprimoramento no valor de R$ 500 cada. Além disso, todos recebem bônus anual com valor adicional de 95% dos vencimentos.

100% conectada

O Censo Escolar da Educação Básica destacou Goiás pelo alcance de 100% de conectividade com internet banda larga dentro de suas instituições de ensino. São 783 laboratórios de informática móveis, 571 de física, biologia e matemática, além de 23 mil notebooks para professores.

Português e Matemática

Os resultados obtidos nas avaliações do Sistema de Avaliação Educacional do Estado de Goiás (Saego) 2023 mostram que Goiás avançou nos níveis de proficiência em Língua Portuguesa e Matemática e apontam que o Estado superou os desafios impostos pela pandemia de Covid-19, recompondo a aprendizagem nessas disciplinas.

No 9º ano do Ensino Fundamental, a proficiência média em Língua Portuguesa passou de 256 em 2022 para 266 em 2023. E, em Matemática, os índices passaram de 250 para 263. Já na 3ª série do Ensino Médio, a proficiência média em Língua Portuguesa foi de 267 para 278 em. Em Matemática, o avanço foi de 265 para 276.

67% dos goianos avaliam Educação como positiva

A Educação em Goiás é aprovada por 67% dos goianos. É o que mostra pesquisa Genial/Quaest divulgada neste mês. Segundo o levantamento, apenas 8% classificam como negativa.

Goiás supera outros estados avaliados. No Paraná a avaliação positiva é de 63%; em Minas Gerais, de 51%; e em São Paulo, de 42%. A boa avaliação reflete os amplos investimentos que o Governo de Goiás realiza na área.

Estado tem maior redução de analfabetismo do país

Goiás apresentou a maior redução do país na taxa de analfabetismo entre as pessoas de 15 anos ou mais nos últimos oito anos. O índice goiano, entre os anos de 2016 e 2023, saiu de 5,9% para 4%, valor que representa 32,2% de diminuição relativa.

A redução brasileira foi de 19,4% no mesmo período. Os dados são da Pesquisa Nacional por amostra de Domicílios (PNAD) Contínua, divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Compartilhar em:

Notícias em alta