Hoje é 21 de fevereiro de 2024 13:17
Hoje é 21 de fevereiro de 2024 13:17

Goiás tem 3,8 milhões de pessoas empregadas e redução histórica na taxa de desemprego

Dados do IBGE mostram que a desocupação no estado é 5,9% menor que a média registrada anteriormente nos primeiros trimestre de 2014
O rendimento médio efetivo de todos os trabalhos em Goiás atingiu o valor de R$ 2.900,00 e foi o maior de toda a série histórica // Foto: Divulgação/SGG

O Estado de Goiás tem cerca de 3,789 milhões de pessoas ocupadas, o que representa um crescimento expressivo no terceiro trimestre de 2023, período em que atingiu o maior número de ocupados de toda a série histórica, que foi iniciada em 2012.

O destaque de crescimento da população ocupada, em relação ao trimestre anterior, foi puxado pelas atividades de administração pública, defesa, seguridade social, educação, saúde humana e serviços sociais, com um crescimento de 25 mil pessoas ocupadas; informação, comunicação e atividades financeiras, imobiliárias, profissionais e administrativas, com um crescimento de 22 mil pessoas; e comércio, reparação de veículos automotores e motocicletas com aumento de 16 mil pessoas.

O rendimento médio efetivo de todos os trabalhos em Goiás atingiu o valor de R$ 2.900,00 e foi o maior de toda a série histórica. Pelo terceiro trimestre consecutivo a renda média goiana, cujo aumento foi de R$ 26,00 em relação ao trimestre anterior, esteve acima da média brasileira.

Os dados, confirmados pelo Instituto Mauro Borges de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (IMB), são da Pesquisa Nacional por Amostra Domiciliar Contínua (PNAD Contínua), divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE) em trazem uma comparação com os dados levantados no primeiro trimestre de 2014.

Crescimento exponencial

O aumento da população ocupada, na comparação com o trimestre anterior, foi de 26 mil pessoas. Em relação ao mesmo trimestre de 2022, o crescimento foi de 19 mil pessoas. Esses valores representam um crescimento de 0,69% e 0,50%, respectivamente.

A taxa de desocupação em Goiás foi de 5,9%, a menor desde o último trimestre de 2014. O percentual representa uma redução de 0,3 ponto em comparação ao trimestre anterior, e 0,2 ponto percentual comparado ao mesmo período do ano anterior.

“Mais uma vez, Goiás apresentou excelentes resultados na pesquisa do IBGE. Os números mostram que a gestão está seguindo o caminho certo, ao investir em políticas públicas de capacitação, qualificação e direcionamento dos goianos para melhores oportunidades de emprego, que, consequentemente, resultam em aumento de renda”, pontua o secretário-geral de Governo, Adriano da Rocha Lima.

O diretor-executivo do IMB, Erik Figueiredo, celebra os avanços. “Os dados do mercado de trabalho estabelecem mais dois recordes para a economia goiana. Pelo terceiro trimestre consecutivo, Goiás apresenta uma renda média superior à nacional e, mais uma vez, contabiliza o maior número de pessoas ocupadas de toda a série histórica. A economia de Goiás continua mostrando o seu vigor”, destaca Figueiredo.

Por outro lado, as atividades que mais reduziram, em relação ao trimestre anterior, foram serviços domésticos, com redução de 37 mil pessoas ocupadas; outros serviços, com redução de 9 mil pessoas ocupadas; e construção, com redução de 5 mil pessoas ocupadas.

Compartilhar em:

Notícias em alta