Hoje é 29 de fevereiro de 2024 03:24
Hoje é 29 de fevereiro de 2024 03:24

‘Gravíssimo e inaceitável’, diz ministro sobre plano para matar Moraes

Ministro interino da Justiça acrescentou que a informação será apurada e levada às últimas consequências para descobrir os autores do suposto plano de prisão e assassinato do ministro do STF
Ricardo Cappelli, ministro interino da Justiça: plano contra o ministro Alexandre de Moraes indigna todos os democratas // Foto: Agência Brasil/Arquivo

O ministro interino da Justiça e Segurança Pública, Ricardo Cappelli, comentou nesta quinta-feira (4/1), em Brasília, que o suposto plano para assassinar o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), é gravíssimo e inaceitável e que as investigações devem ir até “as últimas consequências” para punir os responsáveis.

Em entrevista ao jornal O Globo, Alexandre de Moraes revelou que as investigações sobre os atos golpistas do 8 de janeiro de 2023 descobriram a preparação de planos para prisão e assassinato do magistrado. Nesses planos havia inclusive participação da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), que monitorava o ministro e repassaria informações para sua detenção.

Ainda segundo o ministro do STF, existiam três planos para prendê-lo e matá-lo, um deles previa enforcá-lo na Praça dos Três Poderes, em Brasília. Outro plano indicava a prisão de Moraes por forças especiais do Exército e transporte para o Batalhão de Operações Especiais em Goiânia; no terceiro plano, ele seria executado no trajeto para Goiânia.

Em conversa com jornalistas nessa quinta-feira (4), Cappelli afirmou que a existência desse suposto plano revela a gravidade do que estava em curso no Brasil.

“Gravíssimo e inaceitável cogitarem atentar contra a vida de um ministro da Suprema Corte do Brasil”, afirmou.

O ministro interino da Justiça acrescentou que essa informação será apurada e levada às últimas consequências para descobrir os autores do suposto plano de prisão e assassinato do ministro do STF.

“O plano contra o ministro Alexandre de Moraes indigna todos os democratas. Iremos às últimas consequências para identificar e punir todos os responsáveis. [Eles] acertarão suas contas com a Justiça e com a história”, afirmou Cappelli em uma rede social.

No dia 8 de janeiro de 2023, apoiadores do ex-presidente Jair Bolsonaro, inconformados com o resultado da eleição presidencial de 2022, invadiram as sedes dos Três Poderes, em Brasília, pedindo um golpe militar no Brasil. O ministro Alexandre de Moraes era um dos principais alvos das manifestações golpistas iniciadas após o segundo turno da eleição de outubro de 2022. (Com informações da Agência Brasil)

Compartilhar em:

Notícias em alta