Hoje é 29 de fevereiro de 2024 02:28
Hoje é 29 de fevereiro de 2024 02:28

Laudo pericial investiga possíveis irregularidades em obra que desmoronou no Setor Marista

Saneago responde por nota insinuação feita pela construtora de que rompimento em rede de esgoto poderia ser uma das causas do desmoronamento; Construtora comenta o assunto em nova nota à imprensa
Laudo da Polícia Civil que apontará as causas do acidente está previsto para ser concluído em 20 dias // Foto: Ascom SMM

O laudo pericial da Polícia Técnico-Científica do Estado de Goiás (PTC-GO) para o deslizamento de terra em uma construção no Setor Marista, Goiânia, estará pronto em até 20 dias. Peritos de engenharia forense visitaram o local nesta quarta-feira (17) para coletar indícios, e o parecer resultante será enviado à Delegacia Estadual de Repressão a Crimes Contra o Meio Ambiente (Dema), responsável pela investigação de possíveis irregularidades.

A Saneago foi mencionada no caso devido a especulações sobre vazamento de água como possível causa do deslizamento. A Opus, em nota, sugeriu que fatores externos, como um vazamento de água no ponto do rompimento do asfalto, poderiam ter contribuído para o incidente. A Saneago, por sua vez também em nota à imprensa, negou qualquer relação com o acidente e esclareceu que a adutora de 150 mm para o Edifício Fluence Marista está intacta, enquanto a rede de água de 75 mm para outros imóveis na rua foi danificada no desmoronamento.

Ainda de acordo com a companhia de esgoto, a Opus à informou sobre um vazamento decorrente do desmoronamento aproximadamente 1h30 após o incidente, sendo esta a única ocorrência registrada nos últimos dias. A Saneago contesta a narrativa, alegando que o vazamento ocorreu devido ao acidente e não o contrário. Ambas as partes estão tomando as medidas jurídicas em relação às acusações. A Opus, sobre as alegações da Saneago, optou por não comentar no momento.

Desmoronamento obrigou moradores a evacuarem suas casas

Na madrugada de segunda-feira (15), uma obra da Opus Incorporadora na Rua 1.128 sofreu um deslocamento de maciço de terra, evacuando dois prédios vizinhos. O Edifício Catas Altas, na Rua 1.127, teve seu retorno liberado na terça-feira (16), mas os moradores permanecem apreensivos, aguardando um laudo de avaliação terceirizado pela Opus.

No mesmo dia, moradores do edifício próximo ao terreno em obras, de 3 mil metros quadrados, e do Edifício Villa Lobos, registraram ocorrência na Dema, solicitando um laudo pericial para determinar as causas do acidente. Até o momento, a Opus foi ouvida informalmente durante as oitivas no local.

Leia a íntegra da nota enviada pela assessoria de imprensa da Opus Construtora à reportagem do Portal Notícias Goiás sobre o assunto:

A incorporadora responsável pela obra onde aconteceu o incidente na Rua 1128 repudia veementemente as acusações da Saneago e esclarece que está realizando os levantamentos necessários para se determinar com segurança as causas do incidente, assim como a polícia técnico-científica está fazendo suas inspeções, e aguarda com serenidade as conclusões. 

Em nenhum momento, a incorporadora apontou causas ou culpados do evento, sendo ela a maior interessada em esclarecer o que de fato aconteceu. 

A empresa permanece colaborando com todos os órgãos e prestando toda assistência aos vizinhos para que retornem com segurança para suas casas. Nosso compromisso continua sendo com a verdade e a máxima segurança em benefício da sociedade e da vizinhança.

A empresa esclarece ainda que não praticou nenhum ilícito ou irregularidade e que adotará todas as medidas cabíveis para que a verdade seja estabelecida.

Compartilhar em:

Notícias em alta