Hoje é 22 de fevereiro de 2024 05:14
Hoje é 22 de fevereiro de 2024 05:14

Lula decreta intervenção federal na Segurança do DF e diz que terroristas serão encontrados e punidos

Objetivo da intervenção é "pôr termo a grave comprometimento da ordem pública no Distrito Federal, marcada por atos de violência e invasão de prédios públicos", disse o presidente, ao ler o decreto

O presidente Lula (PT) comentou, neste domingo (8/1), a invasão e ataques criminosos de extremistas a prédios do Congresso Nacional, do Supremo Tribunal Federal e Palácio do Planalto, na Praça dos Três Poderes. O chefe do Executivo condenou os ataques e decretou intervenção federal na Segurança Pública do Distrito Federal até 31 de janeiro. A medida já é válida.

“O objetivo da intervenção é pôr termo a grave comprometimento da ordem pública no Distrito Federal, marcada por atos de violência e invasão de prédios públicos”, disse o presidente, ao ler o decreto.

Segundo o decreto, o interventor escolhido por Lula é Ricardo Garcia Cappelli, que ficará subordinado diretamente ao presidente da República.

“O interventor poderá requisitar, se necessário, os recursos financeiros, tecnológicos, estruturais e humanos do Distrito Federal afetos ao objeto e necessários à consecução do objetivo da intervenção”, diz outro trecho do documento.

“O interventor poderá ainda requisitar a qualquer órgão, civis e militares da administração pública federal, o meios necessários para consecução do objetivo da intervenção”.

Poderão ainda ser requisitados, durante o perídio da intervenção, os bens, serviços, e servidores das áreas da Secretaria de Estado e Segurança do Distrito Federal, da Secretaria de Estado de Administração Penitenciária do Distrito Federal e do Corpo de Bombeiros Militar do DF para emprego nas ações de segurança pública determinadas pelo interventor.

Lula e a primeira-dama, Janja Silva, estão em visita à cidade de Araraquara, no interior de São Paulo, a convite do prefeito Edinho Silva (PT-SP), ex-ministro das Comunicações do governo Dilma. Município foi atingido por fortes chuvas ocorridas na última semana de 2022.

Durante a coletiva, Lula apontou responsabilidade do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), pelo estímulo aos seguidores que pedem intervenção militar no país e quebra da ordem democrática. Ele também disse que autoridades da segurança pública do DF, sem excluir o Governo federal, também falharam em prevenir a ação que culminou com a invasão em prédios dos Três Poderes e depredação do patrimônio público.

Forças de segurança conseguem desocupar rampa do Planalto

No final da tarde, a tropa de choque da PM do Distrito Federal e o Batalhão da Guarda Presidencial conseguiram desocupar a rampa do Palácio do Planalto, após cerca de três horas e meia de baderna. No momento, os radicais estão concentrados no fundo e no estacionamento do prédio.

Aos poucos, os extremistas começam a ser dispersados da Praça dos Três Poderes, que está envolta em fumaça de bombas de gás lacrimogêneo, e retornam ao gramado do Congresso Nacional.

Mais cedo, invasores que tinham saído do Supremo Tribunal Federal (STF) tinham tentado subir a rampa novamente, mas foram dispersados pela cavalaria. Do lado do STF, os terroristas estão concentrados no estacionamento do prédio.

Fórum de governadores oferece forças de segurança para conter atos

O Fórum Nacional de Governadores ofereceu neste domingo o envio de policiais para ajudar na recuperação da segurança na Esplanada dos Ministérios e na Praça dos Três Poderes. A entidade fez uma reunião de emergência na tarde deste domingo (8/1), após extremistas invadirem as sedes dos Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário para pedir a anulação das últimas eleições presidenciais.

O encontro reuniu tanto governadores como secretários estaduais de Segurança Pública. O Fórum Nacional de Governadores também emitiu uma nota de repúdio aos atos antidemocráticos na área central de Brasília.

Leia a nota da entidade

O Fórum Nacional de Governadores externa sua absoluta repulsa ao testemunhar os gravíssimos e inaceitáveis episódios registrados hoje no Distrito Federal, os quais revelam a invasão da Praça dos Três Poderes, seguida da ilegal vandalização das dependências do Palácio do Planalto, do Congresso Nacional e do Supremo Tribunal Federal por manifestantes golpistas, irresignados com o resultado das eleições legitimamente encerradas no País, e publica a presente nota de apoio à democracia, condenando quaisquer atitudes violentas e posturas irresponsáveis que ponham em risco a integridade do estado democrático de direito.

As governadoras e os governadores brasileiros, colocando-se à disposição para o envio de forças militares estaduais destinadas a apoiar a situação de normalidade nacional, exigem a apuração das origens dessa movimentação absurda e a adoção de medidas enérgicas contra os extremistas e aqueles que permitiram, por negligência ou conveniência, tal situação, bem como a subsequente penalização de seus responsáveis.”

Compartilhar em:

Notícias em alta