Hoje é 21 de fevereiro de 2024 12:13
Hoje é 21 de fevereiro de 2024 12:13

Mariana Perdomo: “Ao lado dessa família, somos os maiores interessados na busca pela verdade”

Fundadora da doceria se posicionou sobre o caso que ainda é investigado pela Polícia Civil e que ainda não tem nenhuma informação conclusiva divulgada oficialmente
Delegacia de Homicídios investiga as causas das mortes ocorridas no último domingo // Foto: Agência Cora de Notícias

A empresária Mariana Perdomo se posicionou oficialmente por meio dos canais de comunicação da marca por meio de uma publicação textual onde relembrou e defendeu sua história de empreendedora e a confiança construída com seus fornecedores e consumidores, lamentou as mortes ocorridas no último domingo, e pediu às pessoas que aguardem os desdobramentos das investigações policiais que estão em andamento não propagando notícias falsas sobre o caso.

“Se me for permitido lhe fazer apenas um pedido, por favor, não compartilhe boatos. Não dissemine desinformação. A desinformação destrói as reputações e as histórias de muitas vidas. A verdade virá à tona e nós estamos cooperando para isso”, diz trecho do texto compartilhado na rede social da doceria.

À reportagem do Portal Notícias Goiás a assessoria de imprensa da Polícia Civil enviou uma nota sobre o status atual da investigação do caso. “A Polícia Civil de Goiás informa que o caso em questão é investigado pela Delegacia Estadual de Investigação de Homicídios. No momento, o delegado responsável pelo caso não dará entrevistas, em razão do sigilo necessário à elucidação do fato”, diz a nota. A Polícia Civil recolheu o lote de doces sob suspeita para realização de exames.

Na segunda-feira, dia 18, o Procon Goiás enviou novamente uma equipe de fiscalização a loja da Avenida T-4, fábrica da Perdomo Doces. De acordo com nota publicada pelo órgão, “os agentes verificaram informações contidas nas embalagens, datas de fabricação e validade, acomodação e refrigeração dos doces e, nesta ocasião, não foi constatada nenhuma irregularidade nos produtos fiscalizados”, disse em comunicado.

Confira os principais trechos da nota da Perdomo Doces

À sociedade, a criadora da marca publicou em um perfil de rede social com mais de 774 mil seguidores uma nota que diz “Oi, aqui é a Mariana […] Um lote de nossos produtos está sendo averiguado pelas autoridades competentes. Ele já foi recolhido de todas as nossas lojas e os órgãos responsáveis estão fazendo as análises necessárias e cuidando do caso”.

Na nota, a empresa também reafirma estar à disposição das autoridades para esclarecer o caso. “[…] nos solidarizamos com a família enlutada. Nossos advogados vêm prestando todos os esclarecimentos para elucidar os fatos, bem como colaborando com as investigações, para permitir que essa família saiba a causa exata dos óbitos de seus entes queridos. Ao lado dessa família, somos os maiores interessados na busca pela verdade”, escreveu a fundadora da marca que leva seu nome.

Mariana Perdomo relembrou sua trajetória enquanto empreendedora e alertou para que as pessoas sejam prudentes no pré-julgamento e na disseminação de notícias falsas sobre o caso que ainda está sob investigação policial. “Ver tantas inverdades a respeito da Perdomo Doces serem veiculadas é imensamente triste. Não apenas pela injustiça, mas pela responsabilidade com os mais de 200 pais e mães de família que empregamos e com nossos clientes, que sempre nos honraram com sua confiança”, lamentou.

Relembre o caso

Vítimas que morreram no último domingo após consumirem os doces

No último domingo, dia 17, as vítimas começaram a se sentir mal logo após ingerir um pedaço de torta em uma reunião familiar. Elas foram levadas para o Hospital Santa Bárbara, na capital.

Leonardo começou a ter os primeiros sintomas por volta das 13h, três horas após ter ingerido o alimento. Ele foi encaminhado para o hospital sentindo dores abdominais, vômito e diarreia. O homem chegou a ser internado, mas não resistiu e morreu na unidade de saúde.

A mãe de Leonardo, de 86 anos, apresentou os mesmos sintomas e também não resistiu. Já sua nora, que está grávida, teria comido quantidade menor que os demais e também foi hospitalizada.

Leonardo Pereira Alves, de 58 anos, era assistente de gestão administrativa, lotado na Delegacia Estadual de Repressão a Furtos e Roubos de Veículos Automotores. Em nota, a Polícia Civil lamentou o falecimento do homem e afirmou que o caso está sendo investigado.

Compartilhar em:

Notícias em alta