Hoje é 15 de abril de 2024 03:10
Hoje é 15 de abril de 2024 03:10

Polícia Civil prende 16 suspeitos de armazenar e vender pornografia infantil em Goiás

Investigados comercializavam as imagens em grupos de mensagem por valores que variam entre R$ 30,00 e R$ 100,00 reais a depender do tipo de conteúdo, que era oferecido por meio de amostras
Suspeitos foram presos nas cidades de Goiânia, Aparecida de Goiânia, Trindade, Inhumas, Senador Canedo, Anápolis, Mara Rosa, Uruaçu, Mozarlândia, Jataí e Mineiros // Fotos: Ascom PC-GO

A Polícia Civil de Goiás deflagrou no início da manhã desta terça-feira, dia 20, a Operação Cameroceras, que cumpriu mandados de busca e apreensão de 16 pessoas suspeitas de armazenar e vender, em grupos de mensagem, conteúdo de exploração sexual infanto juvenil. Os mandados foram cumpridos nas cidades de Goiânia, Aparecida de Goiânia, Trindade, Inhumas, Senador Canedo, Anápolis, Mara Rosa, Uruaçu, Mozarlândia, Jataí e Mineiros.

De acordo com informações preliminares divulgadas pela PC-GO, um dos mandados de prisão preventiva foi cumprido na capital. O investigado em questão afirmava ter guardado cerca de 5 mil vídeos íntimos que eram oferecidos em dezenas de grupos de vendas que ele criava usava como atrativo para venda, a distribuição de “amostras” dos materiais. As investigações apontam que as imagens eram vendidas por valores que variavam entre R$ 30,00 reais e R$ 100,00 reais.

Operação foi iniciada no começo da manhã desta terça-feira em várias cidades goianas

Outras 15 pessoas foram alvo de mandados de busca e apreensão, sendo duas presas em flagrante por armazenarem, no momento da busca, vasto material de exploração sexual infantil. As prisões em flagrante se deram nas cidades de Senador Canedo e Mara Rosa. Vários dispositivos eletrônicos foram apreendidos para serem submetidos à perícia para análise.

Os presos em flagrante foram encaminhados ao cárcere e serão submetidos à audiência de custódia, tendo em vista a recente alteração prevista na Lei 14.811/24, que considerou o crime do art. 241-B do ECA (armazenamento de conteúdo de exploração sexual de criança e adolescente) crime hediondo, não cabendo fiança.

Compartilhar em:

Notícias em alta