Hoje é 15 de abril de 2024 02:39
Hoje é 15 de abril de 2024 02:39

Rogério Cruz assina adesão ao Brasil Sem Fome e destaca parcerias com governos estadual e federal

Durante visita a uma horta comunitária, acompanhado do prefeito, o ministro do Desenvolvimento e Assistência Social, Família e Combate à Fome, Wellington Dias, avaliou as ações da pasta e disse ao PORTAL NG que o objetivo é a superação da pobreza
Prefeito Rogério durante assinatura da adesão ao Plano Brasil Sem Fome: “Não queremos ver nenhuma pessoa passando fome, o alimento tem que chegar à mesa das famílias” // Fotos: Jucimar de Sousa

O prefeito de Goiânia, Rogério Cruz, destacou a importância de parcerias desenvolvidas com os governos federal e estadual, na manhã desta terça-feira (31/10), durante assinatura do termo de adesão de Goiás ao Plano Brasil Sem Fome. A assinatura ocorreu na VII Conferência Estadual de Segurança Alimentar e Nutricional de Goiás (VII Cesan), no auditório da Secretaria de Agricultura, com a presença do ministro do Desenvolvimento e Assistência Social, Família e Combate à Fome, Wellington Dias, e do governador Ronaldo Caiado.

O Plano Brasil Sem Fome tem como objetivo acabar com a insegurança alimentar grave em todo o território nacional e reduzir progressivamente o contingente de pessoas afetadas por insegurança alimentar e nutricional. Além disso, o projeto visa mobilizar estados e municípios e fomentar programas, projetos e ações que contribuam para o enfrentamento da fome.

“O apoio que o governo do Estado tem dado ao município de Goiânia e a importância de parcerias como esta não têm preço. Esse comprometimento tem feito com que essas parcerias, principalmente no social, tenham dado certo e não parem por aqui. Realizamos esse trabalho na segurança alimentar, na área social, no transporte público, na segurança pública e com grandes resultados”, afirmou Rogério.

Em seguida, o prefeito também falou sobre a relação com o Ministério do Desenvolvimento e Assistência Social, Família e Combate à Fome e o apoio do ministro Wellington Dias ao município.

“Recentemente nos falamos e, até mesmo por telefone, sempre tivemos uma atenção maravilhosa do ministro. Obrigado por todo apoio à cidade de Goiânia, à Capital que cuida de pessoas junto com o governo do Estado”, disse, lembrando também do apoio da bancada federal, que sempre esteve presente nas reuniões com ministros.

Durante o discurso, o prefeito ressaltou as medidas adotadas pelo município no combate à fome, incluindo a criação dos maiores programas de transferência de renda da história de Goiânia, o Renda Família e o Renda Família + Mulher.

“Não queremos ver nenhuma pessoa passando fome, o alimento tem que chegar à mesa das famílias. As pessoas não precisam ir até a sede, elas podem ir até o Cras e pegar a bolsa de alimentos. Também demos sequência ao programa da horta alimentar, levando para escolas e Cmeis”, completou.

Wellington Dias disse que a pasta mantém diálogo aberto sobre temas importantes para Goiânia e para o País.

“Estamos aqui pra estender a mão para a gente trabalhar juntos. Conversamos ao telefone (com o prefeito Rogério) e acertamos de fazer uma agenda para poder tratar de temas importantes para Goiânia e para o Brasil. Na área de população em situação de rua, devemos dar novos passos para trabalhar com os municípios e estados e, com certeza, vamos trabalhar juntos em Goiás”, destacou.

Goiás receberá R$ 18,8 milhões para aquisição de alimentos

Wellington Dias disse que o Bolsa Família faz com que circule na economia dos municípios goianos R$ 5,827 bilhões. Ainda segundo o ministro, a transferência de renda é um dinheiro que chega às mãos dos mais pobres e circula onde os mais pobres vivem, fomentando a economia local.

“A cada R$ 1 que a gente transfere, outros R$ 2,20 se multiplicam na economia local, de acordo com a Fundação Getúlio Vargas. É o que o presidente Lula dizia sobre colocar o pobre no orçamento”, afirmou.

O ministro também disse que está autorizando R$ 18,8 milhões em recursos para Goiás, por meio do programa de aquisição de alimentos, com R$ 4,8 milhões destinados para a Capital.

“Outro caminho é também trabalhar para retirar essas pessoas da pobreza. Aqui é um esforço por meio do emprego e do empreendedorismo. O que essas pessoas querem mesmo é trabalhar. O objetivo é esse: tirar o Brasil do mapa da fome, com redução da pobreza”, disse Wellington Dias.

Ministro visita horta comunitária: ‘Objetivo é a superação da pobreza

Ainda em Goiânia, Wellington Dias visitou o Centro de Referência de Assistência Social (Cras) do Bairro Floresta, na manhã desta terça-feira (31/10), acompanhado do prefeito Rogério Cruz. A ocasião promoveu o encontro com trabalhadores e pessoas assistidas pela unidade, dentre idosos e grávidas, que recepcionaram o prefeito e o ministro. Os dois visitaram a horta comunitária do local.

“É gratificante para nós ter o ministro aqui conosco, que traz boas novas, ampliando sempre os benefícios para os mais vulneráveis. Aqui ele apresenta a condição de Goiás receber uma verba maior para benefícios sociais às pessoas que tanto precisam do poder público. É preciso que os governos federal, estadual e municipal estejam de mãos dadas pelas famílias mais vulneráveis, para poder colaborar em colocar o alimento na mesa de todos”, destacou o prefeito.

O ministro do Desenvolvimento e Assistência Social, Família e Combate à Fome parabenizou os trabalhos sociais realizados pela Prefeitura de Goiânia e ressaltou que o Governo Federal está aberto a parcerias em prol das populações mais vulneráveis.

“O Cras Floresta tem uma equipe competente ligada ao município, e nosso objetivo é poder atender de modo especializado às pessoas em situação de rua, com deficiência, crianças abandonadas, imigrantes, ou seja, trabalhando juntos, Município, Estado e Governo Federal”, disse Wellington Dias.

“O prefeito Rogério Cruz considera muito o respeito a todos os entes federados, bem como a parceria entre Governo federal e Governo municipal. Hoje o ministro pôde conhecer um pouco da nossa rotina de trabalho, nossa horta, que é cuidada pelos próprios moradores do bairro, conhecer o projeto Mamãe Bebê, que é direcionado para as gestantes, conhecer nosso serviço de convivência e muito mais”, pontuou a secretária de Desenvolvimento Humano e Social, Maria Yvelônia.

A horta comunitária é uma iniciativa para que a produção de alimentos seja realizada por meio de trabalho voluntário, de forma coletiva, incluindo moradores de determinada região. As pessoas que precisam pegam hortaliças no local.

“Hoje nós estamos autorizando aqui um primeiro passo, vamos trabalhar outros R$ 4,8 milhões para apoio a esse programa vinculado à produção e à compra de alimentos produzidos. Esse alimento produzido é repassado a outras pessoas que precisam. O dinheiro circula na economia e resolve a complementação alimentar para aqueles que precisam”, afirmou Wellington Dias.

Ao falar com a reportagem do PORTAL NG, o ministro avaliou as ações desenvolvidas pelo Governo federal para reinserir o contingente de brasileiros que necessitam de ajuda governamental para garantir até a alimentação.

“De 21,5 milhões de famílias que estão no Bolsa Família, temos 19,7 milhões que hoje já podem tomar café, almoçar e jantar todos os dias, o que significa 48 milhões de pessoas. É verdade que tem outra parte que ainda não chegaram lá. O que mais me anima: muita gente assinando a carteira, trabalhando, empreendendo no campo e na cidade, porque o objetivo é a superação da pobreza”, destacou.

Compartilhar em:

Notícias em alta