Hoje é 19 de julho de 2024 20:58
Hoje é 19 de julho de 2024 20:58

Policarpo pede a vereadores que destinem R$ 100 mil de suas emendas à Orquestra Sinfônica de Goiânia

Músicos da orquestra estiveram no plenário da Câmara de Goiânia para pedir reajuste salarial e investimentos em modernização da organização, que integra a Secretaria Municipal de Cultura da capital
Vereador Romário Policarpo, presidente da Câmara Municipal de Goiânia: “Se cada vereador se dispuser a participar, será possível comprarmos todos os instrumentos musicais novos” // Fotos: Arquivo/Alberto Maia

O presidente da Câmara Municipal de Goiânia, Romário Policarpo (Patriota), propôs que cada um dos 35 vereadores da capital reserve R$ 100 mil de suas emendas impositivas para serem destinados à Orquestra Sinfônica de Goiânia. A solicitação do vereador veio em resposta ao pedido de apoio administrativo feito por músicos da orquestra na sessão plenária desta quinta-feira (28/9).

“Se cada vereador se dispuser a participar, será possível comprarmos todos os instrumentos musicais novos”, disse Policarpo aos músicos presentes no plenário.

A Orquestra Sinfônica de Goiânia reivindica atualização salarial e investimentos na modernização de equipamentos. Segundo os músicos, a categoria está sem reajuste desde 2011.

O pedido feito por Policarpo foi prontamente acolhido pelos vereadores Anselmo Pereira (MDB), Isaías Ribeiro (Republicanos) e Denício Trindade (MDB), que se compromissaram a alocar R$ 100 mil de suas emendas para o grupo. O montante deve ser pago em fevereiro do próximo ano.

Em sua fala, o presidente da Câmara relembrou outro gesto semelhante da Casa, quando vereadores encaminharam recursos de suas emendas para a aquisição de instrumentos musicais para a banda da Guarda Civil Metropolitana de Goiânia.

Embora considere a arrecadação um “afago”, Policarpo defende que a reestruturação seja feita com melhores salários e condições de trabalho: “Já passou da hora”, disse.

Com 75 músicos e 40 cantores, a Orquestra Sinfônica de Goiânia é estrutura integrante da Secretaria Municipal de Cultura. Em maio de 2022, a organização enviou proposta de reestruturação para a pasta. O documento inclui um levantamento sobre as orquestras do Brasil, revelando que os profissionais de Goiânia recebem os salários mais baixos entre todas as orquestras do país.

Os profissionais da orquestra afirmam estar atravessando “a maior crise institucional desde sua criação”, em 1993. Os músicos recebem cerca de R$ 2,2 mil mensais, enquanto os cantores ganham em torno de R$ 1,6 mil. A título de comparação, músicos de outras orquestras do país, como as de São Paulo e Minas Gerais, têm vencimentos na casa dos R$ 14 mil e R$ 10 mil, respectivamente. Em Brasília, os salários chegam a ser 11 vezes superiores aos de Goiânia.

Compartilhar em:

Notícias em alta