Hoje é 21 de julho de 2024 16:20
Hoje é 21 de julho de 2024 16:20

Governo de Goiás quer reduzir em 5 vezes o tempo de espera para cirurgia eletiva

Lançamento do programa aconteceu nesta terça-feira no Hospital Santa Mônica, em Aparecida de Goiânia; atualmente mais de 125 mil goianos aguardam por esse tipo de atendimento médico, com tempo médio de 765 dias de espera; meta é baixar o prazo para 150 dias

A Secretaria Estadual de Saúde lançou nesta terça-feira (30/5) o programa de cirurgias eletivas para reduzir a fila de espera no estado. Isso porque, atualmente, há 125.894 goianos aguardando por uma intervenção e o tempo médio de espera é de 765 dias.

Ao todo, R$ 40 milhões foram investidos no projeto, sendo metade da verba federal e a outra metade do Governo de Goiás. A expectativa é de que 10 mil operações sejam realizadas nesta primeira fase.

Diferente de outros estados, em Goiás, a fila de espera foi unificada com outros municípios para o estado entender o grau da situação.

“Tinha fila no estado, em Goiânia, Rio Verde, Aparecida de Goiânia e Anápolis. Na verdade, os pacientes estavam pulverizados em duas ou três filas. Então, o primeiro momento foi unificá-las e disponibilizar um sistema onde todos os municípios possam colaborar para a gente saber o tamanho real do nosso problema”, explica o subsecretário de Vigilância e Atenção Integral à Saúde da SES, Luciano de Moura. 

A SES prevê que 42 municípios goianos executem as operações de toda população, que devem acontecer em 68 hospitais privados conveniados ao Sistema Único de Saúde.

“Não vamos fazer esses procedimento em hospitais municipais que já têm as suas cotas. Vamos realizar em hospitais privados”, explica o secretário estadual de saúde, Sérgio Vencio.

Nos próximos três meses uma nova avaliação será feita para avaliar o funcionamento do projeto para que o estado invista mais recursos.

“Não tem como zerar porque novos pacientes vão chegando, mas a nossa expectativa é que eles não espere mais que quatro ou cinco meses para fazer a cirurgia eletiva”, detalha.

O lançamento do programa de cirurgia eletiva foi lançado em Aparecida de Goiânia. Na cidade, mais de 1.200 pessoas aguardam por um procedimento dentro dos hospitais e outras 450 na regulação. O secretário municipal de saúde Alessandro Magalhães reforça que a cidade se preparou nos últimos meses para receber as demandas de outros municípios.

“Aparecida já vinha trabalhando com regime de mutirão desde setembro. Isso possibilitou que a fila reduzisse em 50% e possibilitasse que a gente conseguisse receber de outros municípios”, explica.

‘A expectativa é fazer a cirurgia e ficar bom’, diz morador

O seu Luiz Ferreira de Andrade, de 30 anos, é um dos moradores beneficiados com a cirurgia eletiva. Ele aguardava o procedimento para retirar a pedra da vesícula a três anos.

Morador de Senador Canedo, na região Metropolitana, o aposentado recebeu o telefonema ontem informando sobre a liberação da cirurgia e falou sobre a felicidade.

“Fui fazer um exame de rotina e como eu estava sentindo a dor ele pediu o ultrassom para saber o que estava acontecendo e constatou que era pedra na vesícula. Esses três anos esperando foi um período necessário por conta da pandemia, mas a espera é sempre ruim. A expectativa é fazer a cirurgia e ficar bom em nome de Jesus”, relata.

Compartilhar em:

Notícias em alta